fbpx
O que são medicamentos éticos + lista de medicamentos de referência mais vendidos

O que são medicamentos éticos + lista de medicamentos de referência mais vendidos

Os medicamentos de referência fazem parte de uma das 3 maiores categorias de produtos mais comercializados em farmácias e drogarias. Junto com os medicamentos genéricos e similares, os medicamentos de referência, também chamados de medicamentos éticos, têm uma grande parcela nas vendas do varejo farmacêutico.

Porém, muitos acabam esquecendo (ou mesmo não tem o conhecimento) sobre as etapas até chegar definitivamente nos medicamentos de referência, começando pelas pesquisas, testes, registro de patente, até chegar na prateleira da farmácia para o consumidor final.

Além de tudo isso, é importante que a farmácia saiba quais são os medicamentos de referência mais vendidos no Brasil, para compor um mix de produtos adequado e assim evitar a ruptura de estoque ou mesmo perda por vencimento.

Envie mensagens no WhatsApp para os clientes da farmácia

Para te mostrar tudo isso, e mais algumas curiosidades da lista completa dos medicamentos éticos, continue a leitura do artigo! 

Achamos que você também vai gostar de:

>> 9 estratégias de vendas para cosméticos em farmácias

>> Empurroterapia, o que é? Entenda como evitar essa prática na sua farmácia

>> Lista Completa: 100 medicamentos mais vendidos em farmácia

Medicamentos de referência o que é?

A ANVISA define medicamento de referência como:

Produto inovador, registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no País cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente junto ao órgão federal competente por ocasião do registro, conforme a definição do inciso XXII, artigo 3º, da Lei n. 6.360, de 1976 (com redação dada pela Lei nº 9.787 de 10 de fevereiro de 1999)”.

Ainda segundo a ANVISA, “o medicamento de referência é um status conferido ao medicamento que ingressa na Lista de Medicamentos de Referência e se torna parâmetro de eficácia terapêutica, segurança e qualidade para o registro dos medicamentos genéricos e similares”.

Medicamentos de referência também são conhecidos como:

  • Medicamento inovador;
  • Medicamento de marca;
  • Medicamento original;
  • Medicamento ético.

O que é um medicamento inovador?

O medicamento inovador, em geral, é considerado o medicamento de referência. Para você entender melhor: produto inovador é aquele que é novo no mercado, e no caso dos medicamentos, é um novo fármaco.

Nesse sentido é que entram os medicamentos de referência, ou seja, são fármacos de referência. Como não existem outros fármacos iguais ou semelhantes, os medicamentos de referência são chamados de medicamentos inovadores.

Segundo a RDC nº 135, medicamento inovador é aquele:

“registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no País, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente junto ao órgão federal competente, por ocasião do registro”. (Lei nº 9.787, de 10/2/99)”

A nomenclatura de medicamento referência acontece quando o medicamento inovador (único no mercado) passa por uma série de testes e tem sua comprovação de eficácia, segurança e qualidade garantidas. Assim, o medicamento de referência passa então a ser “um modelo” para a fabricação dos medicamentos genéricos e similares. 

O que é medicamento de marca?

O medicamento de referência também é muito conhecido como medicamento de marca, pois tem uma “melhor fama” no mercado farmacêutico em comparação aos demais medicamentos genéricos e medicamentos similares.

Isso acontece, pois, os medicamentos de referência chegam para o consumidor após alguns milhões de investimentos em pesquisas e desenvolvimento

Entenda melhor: para que a indústria farmacêutica tenha o retorno do investimento nas pesquisas dos medicamentos de referência, a ANVISA determina, sob forma de lei, uma “proteção” de patente, isto é, garante pelo menos 20 anos de exclusividade ao laboratório que “criou” o medicamento de referência.

Caixa de ferramentas úteis para farmácias e drogarias

Nesse tempo, somente o laboratório detentor da patente do medicamento referência pode lucrar com a venda do produto. Em outras palavras, os demais laboratórios “não podem copiar” o medicamento de referência e comercializar ou lucrar sob outro produto da “mesma fórmula” que o referência.

Logo, o laboratório cria uma “marca” para comercializar o medicamento de referência.

Entretanto, podem existir casos específicos em que a “quebra da patente” pode ser autorizada pela ANVISA. Nos casos de saúde pública, por exemplo, sendo necessário o uso em grande escala do medicamento de referência, é preciso massificar a produção, então, outros laboratórios podem “copiar” o medicamento de referência. 

O que é medicamento original?

O medicamento de referência é o primeiro medicamento produzido para o tratamento de uma doença, que antes, não tinha um medicamento específico para ser tratada.

Por isso o medicamento de referência é também chamado de medicamento original.

O que é medicamento ético?

Medicamento ético é aquele medicamento de referência que ainda está sob proteção de patente. Ou seja, na prática, os medicamentos éticos são os únicos do mercado para o tratamento de determinada doença que antes não tinha um fármaco específico.

Qual a diferença entre medicamento referência e medicamento ético?

Quando a patente de um medicamento de referência acaba (ou é quebrada), ele não é mais um medicamento ético. Portanto, são apenas medicamentos éticos aqueles que ainda têm proteção de patente e não existem outros similares ou genéricos no mercado.

Porém, medicamentos de referência que não tem mais proteção de patente, não são medicamentos éticos! Pois nesse caso, podem existir medicamentos genéricos e similares, isto é, o medicamento de referência já não é mais exclusividade no mercado, existem outros que podem ser usados para o mesmo tratamento de uma doença. 

Resumindo: todo medicamento ético é um medicamento de referência, mas nem todo medicamento de referência pode ser chamado de medicamento ético!

Medicamentos de referência podem ser vendidos por qualquer preço?

Não. Vale ressaltar, que existe uma regulamentação de preços estabelecida pela Lista CMED. Mesmo os medicamentos de referência que estão sob proteção de patente, tem que ficar abaixo do PMC – Preço Máximo ao Consumidor. É uma forma de regular o preço, evitando abusos de preços ao consumidor final. 

Medicamento de referência é melhor que medicamento genérico e similar? 

Não. Em casos específicos é possível fazer a intercambialidade entre medicamentos, ou seja, trocar um medicamento por outro.

O que não é medicamento de referência?

A ANVISA determina uma série de critérios técnicos para considerar um produto como sendo um medicamento de referência. Todos os aspectos estão estabelecidos na RDC nº 35/12.

Lista de produtos que não são medicamentos de referência:

  • Gases Medicinais
  • Medicamentos Biológicos
  • Medicamentos de Notificação Simplificada
  • Medicamentos Dinamizados
  • Medicamentos Específicos
  • Medicamentos Fitoterápicos
  • Radiofármacos

Medicamentos de referência exemplos

Abaixo listamos 100 medicamentos de referência autorizados pela ANVISA que fazem parte da Lista A atualizada até 30/12/2021. Na coluna da esquerda está descrito o nome do medicamento, logo em seguida entre parênteses, está descrito o laboratório (detentor) do produto. 

Lista de medicamentos de referência ANVISA – Grupo A

  1. ABELCET ( Teva Farmacêutica)
  2. ABLOK ( Biolab Sanus)
  3. ACETILCISTEÍNA ( Eurofarma)
  4. ACICLOVIR ( Merck)
  5. ÁCIDO ACETILSALICÍLICO ( Cimed)
  6. AGRYLIN ( Takeda)
  7. ALENDRONATO DE SÓDIO ( Sandoz)
  8. ALERFIN ( Chiesi)
  9. ALPROXY ( Opem)
  10. AMBISOME ( United Medical)
  11. AMINOFILINA ( Hipolabor)
  12. AMINOFILINA ( Teuto)
  13. AMOXIL ( Glaxosmithkline)
  14. AMPICILINA SÓDICA ( Teuto)
  15. AMPLACILINA ( Eurofarma)
  16. AMYTRIL ( Cristália)
  17. ARIMIDEX ( Astrazeneca)
  18. ARISTAB ( Aché)
  19. ARPEJO ( EMS S/A)
  20. ASPIRINA ( Bayer)
  21. ASPIRINA PREVENT ( Bayer)
  22. ASTRO ( Eurofarma)
  23. ATLANSIL ( Sanofi Medley)
  24. ATROPION ( Ariston (Blau))
  25. AVICIS ( Galderma)
  26. AZELAN ( Leo Pharma)
  27. AZEUS ( Fresenius)
  28. AZITROMICINA ( Germed)
  29. BAMBAIR ( Cosmed)
  30. BECLOSOL SPR NASAL ( Glaxosmithkline)
  31. BENZETACIL ( Eurofarma)
  32. BETASERC ( Abbott)
  33. BHENA ( Biolab Sanus)
  34. BRONDILAT ( Aché)
  35. BUFFERIN CARDIO ( Novartis Biociências)
  36. CALQUENCE ( Astrazeneca)
  37. CARBAGLU ( Recordati Rare Diseases)
  38. CAVERJECT ( Pfizer)
  39. CITALOR ( Pfizer)
  40. CLENIL HFA JET ( Chiesi)
  41. CLENIL HFA SPR ( Chiesi)
  42. CLENIL HFA SPR JET ( Chiesi)
  43. CLORIDRATO DE AMIODARONA ( Hypolabor)
  44. COPAXONE ( Teva Farmacêutica)
  45. CORDAREX ( Aché)
  46. DEPAKENE ( Abbott)
  47. DERIVA MICRO ( Glenmark)
  48. DIAMOX ( União Química)
  49. DIFFERIN ( Galderma)
  50. ECALTA ( Pfizer)
  51. ELIQUIS ( Wyeth)
  52. FILINAR G ( Eurofarma)
  53. FLAGIMAX ( Belfar)
  54. FLOGORAL ( Aché)
  55. FLORATE ( Novartis Biociências)
  56. FLUCISTEIN ( União Química)
  57. FLUIMUCIL ( Zambon)
  58. FRONTAL ( Pfizer)
  59. FRONTAL XR ( Pfizer)
  60. IMURAN ( Aspen Pharma)
  61. INLYTA ( Wyeth)
  62. LABIRIN ( Apsen Farmacêutica)
  63. LASTACAFT ( Allergan)
  64. LIORESAL ( Novartis Biociências)
  65. LOCERYL ( Galderma)
  66. MANTIDAN ( Momenta)
  67. MILGAMMA ( Cosmed)
  68. MUCOSOLVAN ( Sanofi Medley)
  69. MUCOSOLVAN ( Sanofi-Aventis)
  70. NEOTIGASON ( Glenmark)
  71. NESINA ( Cosmed)
  72. NORVASC ( Mylan)
  73. NOVOCILIN ( Aché)
  74. NUVIGIL ( Teva Farmacêutica)
  75. OLUMIANT ( Eli Lilly)
  76. OTEZLA ( Amgen)
  77. PROFLAM ( Eurofarma)
  78. PROSTAVASIN ( Aché)
  79. RAPIFEN ( Antibióticos do Brasil)
  80. RASILEZ ( Novartis Biociências)
  81. REYATAZ ( Bristol Myers Squibb)
  82. RIBOMUSTIN ( Janssen-Cilag)
  83. RINO-LASTIN ( Mylan)
  84. SOCIAN ( Sanofi Medley)
  85. SULFATO DE AMICACINA ( Teuto)
  86. THIOCTACID ( Mylan)
  87. TRACRIUM ( Aspen Pharma)
  88. TRACTOCILE ( Ferring)
  89. URSACOL ( Zambon)
  90. VALDOXAN ( Servier)
  91. VIDAZA ( United Medical)
  92. VOLIBRIS ( Glaxosmithkline)
  93. XATRAL OD ( Sanofi Medley)
  94. ZENTEL ( Glaxosmithkline)
  95. ZIAGENAVIR ( Glaxosmithkline)
  96. ZINNAT ( Glaxosmithkline)
  97. ZITROMAX ( Pfizer)
  98. ZOVIRAX ( Glaxosmithkline)
  99. ZYLORIC ( Aspen Pharma)
  100. ZYTIGA ( Janssen-Cilag)

Fonte: ANVISA

Lista medicamentos de referência de A a Z

Acima apresentamos apenas alguns exemplos de medicamentos de referência, porém a lista é muito mais longa! Você pode baixar agora a Lista A e Lista B com todos os medicamentos de referência autorizados pela ANVISA para serem comercializados nas farmácias e drogarias.

Na lista de medicamentos de referência constam:

  • Nome do fármaco;
  • Detentor (laboratório);
  • Nome do medicamento;
  • Número de registro;
  • Concentração;
  • Forma Farmacêutica; e
  • Data de inclusão na lista

Quais medicamentos de referência vender na farmácia?

O ideal é sempre buscar essa informação no próprio sistema da farmácia. Isso mesmo! Através da análise das movimentações de saída (vendas) o software é capaz de gerar um relatório completo, além de também classificar todos os itens do estoque.

Dessa forma você saberá exatamente quais os medicamentos de referência são mais vendidos na sua farmácia e em quanto tempo os mesmos devem ser repostos. Tudo isso por ser feito de forma automatizada com as ferramentas certas!

Em conjunto com seu sistema, você também deve prestar atenção nas pesquisas e levantamentos feitos por organizações e revistas do meio farmacêutico, que trazem uma lista geral dos produtos mais comercializados no país.

Então você conseguirá saber quais são os medicamentos de referência mais vendidos no Brasil, para que sempre façam parte do seu estoque! Confira quais são eles:

Medicamentos de referência mais vendidos no Brasil

  1. Dorflex (Sanofi)
  2. Xarelto (Bayer)
  3. Selozok (AstraZeneca)
  4. Neosaldina (Cosmed)
  5. Torsilax (Brainfarma)
  6. Aradois (Biolab)
  7. Glifage XR (Merk)
  8. Addera D3 (Cosmed)
  9. Anthelios (Roche)
  10. Buscopan composto (Boehringer Ingelheim)
Como fazer a cobrança de clientes

Fonte: Interfarma

Conclusão

Como você notou, existem muitas nomenclaturas e detalhes sobre os medicamentos de referência, por isso a importância de estar atento na hora de fazer a dispensação na farmácia, buscando orientar e sanar as dúvidas dos consumidores.

Além disso, a farmácia também precisa ter no mix de produtos as principais marcas de medicamentos de referência, para nunca perder uma venda por ruptura de estoque, isto é, ficar sem produto que o paciente deseja!

Nesse sentido podemos te ajudar! Conheça nossas soluções para a farmácia fazer o controle de estoque, automatizar a rotina de compras e sempre saber qual a demanda de produtos (os de menor e maior vendas)! 

Peça agora sua demonstração gratuita! Ou então fale agora mesmo com o especialista para conhecer nossas soluções para sua farmácia. Se preferir, chame no WhatsApp!

Gostou do assunto desse artigo? Se inscreva no nosso Canal do YouTube e nossas páginas do Facebook e Instagram para ter mais conteúdos como esse!

Rolar para cima