fbpx

Guia completo: tipos de embalagens de medicamentos e rótulo de remédio

Os tipos de embalagens de medicamentos, além do rótulo de remédio e a bula são importantes fontes de informações que as farmácias e drogarias precisam ficar atentas na hora de fazer a dispensação no balcão de vendas. Por não serem simples mercadorias existem normas e legislações específicas para os tipos de embalagens de medicamentos.

Antes de fazer a compra, armazenagem e dispensação, a farmácia tem que entender como funciona os tipos de embalagens de medicamentos, que protegem esses produtos. Cada uma tem sua importância no processo de transporte e armazenagem.

Pois desde a fabricação na indústria até a chegada na prateleira da sua farmácia, são usados alguns tipos de embalagens de medicamentos exigem cuidados e procedimentos especiais regulamentados por lei.  

Mas você sabe realmente os tipos de embalagens de medicamentos e rótulo de remédio? Para te ajudar nessa tarefa trouxemos um artigo que vai te explicar as principais dúvidas em relação aos rótulos e embalagens dos medicamentos, além de mostrar qual a melhor impressora para etiqueta de preço. Confira!

Você também pode gostar de:

>> Glossário da Farmácia: termos farmacêuticos mais falados no dia a dia que você precisa saber!

>> Receita Digital: Como Funciona? Confira #12 dúvidas respondidas!

>> Guia Completo: como fazer a exposição de produtos na farmácia

Sumário

O que é uma embalagem de medicamento?

Embalagem de medicamento é todo material que envolve o medicamento por um determinado período, conservando suas características. Ela obrigatoriamente deve:

  • proteger das intemperes do ambiente;
  • identificar e comunicar (através do rótulo de medicamento);
  • informar o consumidor sobre o conteúdo; e
  • conservar o medicamento.

Existem três tipos de embalagens de medicamentos quando nos referimos aos produtos vendidos nas farmácias e drogarias:

  • primária;
  • secundária; e
  • terciária.

Tipos de embalagens de medicamentos

O que é embalagem primária de remédios?

A embalagens primárias são aquelas que mantêm contato com o produto, e faz o importante papel de isolar o medicamento com o meio externo. É muito comum alguns medicamentos serem vendidos somente nesse tipo de embalagem, reduzindo seu preço ao consumidor.

Exemplo de embalagens primárias:

  • ampola;
  • frasco;
  • blíster;
  • bisnaga;
  • seringa; e
  • bolsas.

Existem ainda as embalagens múltiplas que é uma “mistura” da embalagem primária com a embalagem secundária. Ela é usada para os Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP), isto é, não precisam de receita para serem dispensados nas farmácias e drogarias.

O que é Fracionamento de Medicamentos?

Outro ponto muito importante é o fracionamento de medicamentos. Como eles são fabricados em embalagens especiais é possível que o paciente compre a quantidade exata receitada pelo médico. Por exemplo: uma cartela que contém 12 comprimidos pode ser vendida por unidade, dessa forma o consumidor não precisa comprar a “caixa inteira”, somente o que precisar.  

Qual embalagem de medicamento pode ser fracionada?

Somente podem ser fracionados os medicamentos que contenham a seguinte advertência na embalagem: “embalagem fracionável”.

Qual medicamento não pode ser fracionado?

Todos os medicamentos que estão sujeitos ao controle especial do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), isto é, as embalagens com rótulo tarja preta.

>> 13 dúvidas respondidas que você não sabia sobre o site SNGPC!

 O que é embalagem secundária dos medicamentos?

Basicamente as caixinhas dos medicamentos são as embalagens secundárias. Em alguns lugares é conhecida como cartucho. É por meio delas que os consumidores geralmente têm mais contato na farmácia. Elas acondicionam e envolvem a embalagem primária (vão dentro), conferindo proteção.

O que é embalagem terciária de medicamento?

Por último, mas não menos importante, temos as embalagens de medicamentos chamadas de terciárias, muito utilizadas para o transporte dos medicamentos. As caixas de papelão são um bom exemplo.

Qual tipo de material é fabricado uma embalagem?

A grande maioria das embalagens são fabricadas de plástico. O motivo é o fato desse material apresentar excelentes propriedades como: resistência e leveza, versatilidade, fácil design e pode ser facilmente reciclada. O papel e o vidro vêm logo em seguida na preferência da indústria farmacêutica.

O que vêm dentro da embalagem dos remédios?

Na embalagem secundária (a caixinha) de todos os medicamentos comercializados na farmácia ou drogaria devem conter a bula. Porém existem determinados tipos de remédios com apresentações diversas (blister, ampolas) que ficam isentos de conter a bula.

O que é uma bula de medicamento?

A bula é um documento que informa o consumidor sobre o medicamento:

  • com foi produzido;
  • sua composição;
  • formas de administração e quantidades;
  • contraindicações; e
  • advertências de orientações necessárias para garantir o uso correto.

As bulas devem estar de acordo com a RDC nº 47/2009, que define as características como:

  • dizeres, tipo e tamanho da letra;
  • espaçamento entre linhas;
  • cor de impressão, e
  • demais detalhes técnicos.

Quais bulas vêm dentro dos tipos de embalagens de medicamentos?

Existem dois tipos de bulas:

  • bula do paciente (bem mais fácil de ser lida e entendida); e  
  • bula do profissional da saúde (com termos mais técnicos).

Esses dois tipos de bula ainda são divididos em três partes:

  • identificação do medicamento;
  • informações ao paciente;
  • informações técnicas; e
  • dizeres legais.

Para os portadores de deficiência visual é possível solicitar para o laboratório uma bula especial em Braille (revelo para leitura). Após a solicitação a indústria farmacêutica terá 10 dias para fornecê-la para a farmácia ou para o próprio paciente.     

O que é um rótulo de medicamento?

O rótulo do medicamento são as informações impressas nas embalagens primárias e secundárias. Essas informações podem variar conforme a classe terapêutica, princípio ativo e reações que o medicamento causa ao paciente.

Existem também as etiquetas de modo de uso que são utilizadas pelos farmacêuticos na hora de fazer a dispensação do medicamento. Normalmente elas são coladas na caixa do medicamento com informações sobre doses, quantidades e vias de administração para o paciente, conforme a recomendação do receituário médico.

No próprio sistema da farmácia é possível fazer a impressão da etiqueta de modo de uso já preenchida com as informações do paciente que estão cadastradas no computador.

Quais informações são obrigatórias no rótulo de remédio?

Existe uma longa lista de informações obrigatórias que as embalagens de medicamentos primária e secundária devem conter segundo as Resoluções nº 71/2009 e nº 71/2020. Os principais pontos de destaque que os rótulos das embalagens devem obrigatoriamente conter são:

  1. Nome comercial do medicamento;
  2. Nome do medicamento deve ser também impresso em Braille;
  3. Concentração de cada princípio ativo (por unidade de medida);
  4. Nome ou logo da fabricante do medicamento;
  5. Número do lote (com contraste e cor legíveis);
  6. Data de fabricação e validade do medicamento (com contraste e cor legíveis);
  7. Idade mínima aprovada para o uso seguro do medicamento;
  8. Selo para rastreamento (possibilitando acompanhar o medicamento da indústria até a dispensação);
  9. Frases com alertas sobre cuidados na conservação (conforme o medicamento);
  10. Frase “EXIJA A BULA” em letras maiúsculas, sendo maior que o nome comercial do medicamento;
  11. Sigla MS (Ministério da Saúde) junto ao número de registro de 13 dígitos;
  12. Frase “NOVA FÓRMULA” quando o medicamento tiver uma nova formulação (a frase deve permanecer durante 12 meses após a alteração da fórmula);
  13. Frase de restrição de uso conforme a faixa etária do paciente:
    1. “USO ADULTO” ou
    1. “USO ADULTO E PEDRIÁTRICO ACIMA DE __” ou
    1. “USO PEDIÁTRICO ACIMA DE __” ou
    1. “USO ADULTO e PEDIÁTRICO”
  14. Frase “Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas procure orientação médica” (em negrito);
  15. Qual a indicação do medicamento, segundo o princípio ativo e a classe terapêutica;
  16. Contraindicações que o uso do medicamento pode causar ao paciente;

>> Manual de Embalagens e Medicamentos

Como identificar uma embalagem de medicamento controlado

 tipos de embalagens de medicamentos - tarja preta

Na embalagem secundária (caixa) irá constar:

  • Faixa preta na horizontal, abrangendo todos os lados da caixa;
  • A faixa terá uma altura do terço médio da caixa.

Para medicamentos da lista B2:

  • Na caixa e na bula será destacada a frase: “ATENÇÃO: ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR HIPERTENSÃO PULMONAR”.

Para medicamentos das Listas A1, A2 e A3

Constará na caixa os dizeres:

  • “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDIA”
  • “ATENÇÃO: PODE CAUSAR DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA”

Para medicamentos das listas B1 e B2

Será impresso na caixa a frase:

  • “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDIA”. O abuso deste medicamento pode causar dependência”

Como identificar uma embalagem de medicamento que exige prescrição

tipos de embalagens de medicamentos - tarja vermelha

Na caixa (embalagem secundária) virá impresso:

  • Uma faixa horizontal vermelha abrangendo os 4 lados da caixa;
  • A faixa terá uma altura do terço médio.

Medicamentos da lista C2 e Uso Tópico (aplicado na pele):

A seguintes frases irá constar na bula e no rótulo:

  • “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDIA”.
  • “ATENÇÃO: Não use este medicamento sem consultar o seu médico, caso esteja grávida. Ele pode causar problemas ao feto.

Medicamentos da Lista C1 e C5

  • “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDIA”
  • “SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DE RECEITA”

Medicamentos da Lista C2 e Uso Sistêmico (uso contínuo)

  • “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDIA”
  • “ATENÇÃO: Risco para mulheres grávidas, causa graves defeitos na face, nas orelhas, no coração e no sistema nervoso do feto”

Reprodução: ABIMIP

Rótulo de medicamento controlado por lista de substância

ListaCor da FaixaAdvertência na Embalagem
A1, A2 e A3Preta“Venda sob prescrição médica” “Atenção: pode causar dependência física”
B1 e B2Preta“Venda sob prescrição médica” “O abuso deste medicamento pode causar dependência”
C1 e C5Vermelha“Venda sob prescrição médica” “Só pode ser vendido com retenção da receita”
C2 (uso tópico)Vermelha“Venda sob prescrição médica” “Atenção: não use este medicamento sem consultar o seu médico, caso esteja grávida. Ele pode causar problemas ao feto”
C2 (uso sistêmico)Vermelha“Venda sob prescrição médica” “Atenção: risco para mulheres grávidas, causar defeitos na face, nas orelhas, no coração e no sistema nervoso do feto”
C3Preta  VermelhaFrente: “Proibido para mulheres grávidas ou com chance de engravidar”; “Uso sob prescrição médica”  Verso: “Talidomida causa o nascimento de crianças sem braços e sem pernas”; “Este medicamento não provoca aborto”; “Este medicamento não evita filhos”
C4Vermelha“Venda sob prescrição médica” – “Atenção: O uso incorreto causa resistência do vírus da AIDS e falha no tratamento”
Fonte: Portaria SVS/MS nº 344/98

Checklist para saber se o medicamento é verdadeiro

Tanto para o consumidor final quanto para a farmácia existe o risco (ainda que pequeno) de haver falsificação de embalagens e rótulos de medicamentos. Para combater essa prática a Vigilância Sanitária padronizou algumas informações técnicas. Então basta conferir se na embalagem dos medicamentos constam essas 5 informações:  

  1. [ ] número do lote na embalagem primária deve ser o mesmo impresso na embalagem secundária;
  2. [ ] conter a data de validade do medicamento;
  3. [ ] apresentar o número de registro junto à ANVISA na caixa;
  4. [ ] o número do telefone do laboratório que fabricou o medicamento;
  5. [ ] a embalagem primária deve conter um lacre (indicando que nunca foi aberto).

É sempre importante salientar que o cunho desse artigo é informar e alertar as farmácias e drogarias, consumidores e pacientes sobre a importância das embalagens e rótulos dos medicamentos na garantia da preservação e promoção da saúde, desse modo é recomendado consultar na íntegra a legislação vigente, que invariavelmente se altera ao decorrer do tempo.

Tipos de etiquetas para rótulo de remédio

A atualização de preço dos medicamentos acontece anualmente nas farmácias e drogarias, mas depois de precificar os itens no sistema, é preciso imprimir a etiqueta personalizada e fixar nos produtos expostos nas gôndolas e prateleiras.

Esse processo pode tornar-se bem oneroso caso a farmácia não tenha uma impressora adequada que seja capaz de imprimir o volume de etiquetas suficientes para atualizar o preço de todos os itens do estoque.

Antes de comprar uma impressora para sua farmácia ou drogaria, primeiro você precisa definir qual será o destino desse equipamento, ou seja, qual o tipo de impressão.  

Modo de Uso

Esse modelo de etiqueta fornece o Nome da Farmácia e o Endereço, para que o farmacêutico possa descrever no como utilizar o medicamento adequadamente, geralmente colada atrás da receita.

Etiqueta de Receita SNGPC

É uma etiqueta com informações do paciente e dos produtos para ser inserida logo atrás da receita.

Etiqueta de Produtos

Modelo usado para imprimir o preço e o nome dos medicamentos para a identificação nas gôndolas e prateleiras.

Qual a melhor impressora de etiqueta de preço para rótulo de remédio?

Normalmente pequenas e médias farmácias e drogarias possuem uma demanda muito pequena para a impressão de etiquetas, por esse motivo não é necessário grandes investimentos em equipamentos de ponta, apenas uma boa impressora custo benefício já vai atender muito bem as necessidades do estabelecimento.

Quais os tipos de impressoras existem no mercado?

Basicamente a farmácia encontra no mercado 3 modelos de impressoras para imprimir etiqueta para rótulo de remédio:

  • Impressora Jato de Tinta;
  • Impressora à Laser; e
  • Impressora Térmica.

Impressora Jato de Tinta

É um equipamento mais básico, indicado para o uso simples, possui um cartucho de tinta que é recarregável, tento preços muito acessíveis no mercado.

Pode imprimir etiqueta personalizada para rótulo de remédio, porém sua indicação de uso é destinada para simples impressoras em folhas A4, como por exemplo, receituário médico. Esse tipo de impressora tem bom custo benefício tudo em um (escâner e impressão).

Impressora Jato de Tinta para rótulo de remédio

Impressora à Laser

Se trata de um equipamento mais robusto, destinado para grandes volumes de impressões. Também possui um maior custo de aquisição, trabalha com toner de tinta.

Sua impressão é realizada por meio da eletricidade, através um raio laser que faz “queimar” as informações no papel. Pode também ser usada para imprimir etiqueta personalizada para a farmácia. São os modelos mais caros do mercado.

Impressora à Laser para rótulo de remédio

Impressora Térmica

É sem dúvida a melhor opção para os estabelecimentos de varejo, por se tratar de um equipamento custo benefício para imprimir etiqueta de preço para rótulo de remédio.

Essas impressoras trabalham com o aquecimento de um mecanismo de impressão (daí o nome de térmica) para gerar a impressão. Possui uma grande capacidade de impressão, por um custo reduzido, por isso são muito utilizadas.

Impressora térmica para rótulo de remédio

Qual melhor tipo de impressora para etiqueta de preço?

A farmácia que não quer ter mais dor de cabeça com etiquetas para rótulo de remédio, o recomendado é investir num equipamento específico somente para a impressão de etiqueta personalizada, ao invés de comprar uma única impressora para imprimir todo o tipo de documentação.

Nesse sentido, a escolha a ser feita é pela impressora térmica!

10 melhores impressoras térmicas para etiquetas de preço para rótulo de remédio

  1. Elgin L42PRO
  2. Brother QL800
  3. Argox OS-214 PLUS
  4. Argox OS-2140
  5. Brother QL810W
  6. Zebra GC420t
  7. Bematech Mp-4200Th
  8. Epson TM-T20
  9. Tanca TLP-400
  10. Dymo Label Writer 450 Turbo Latam

Qual o preço para comprar uma boa impressora de etiquetas?

O valor para adquirir uma impressora de etiqueta para rótulo de remédio começa a partir de R$ 400,00 e pode chegar até R$2.000,00 dependendo dos diferenciais do equipamento.

Em via de regra, a farmácia investindo entre R$500,00 a R$1.000,00 é o suficiente para comprar uma excelente impressora termina específica para imprimir etiqueta personalizada, que atenda as necessidades do dia a dia.

Antes de comprar uma impressora de etiqueta para rótulo de remédio, preste atenção em:

Tipo de Conexão com o computador

  • USB (porta universal de comunicação);
  • Ethernet (comunicação em rede local);
  • Wireless ou Bluetooth (comunicação sem fio);

Compatibilidade

  • Tensão de rede (a rede elétrica da farmácia é compatível com a fonte de energia da impressora?)
  • Driver de instalação (a impressora consegue ser instalada no sistema operacional do computador?);
  • Instalação no sistema (o equipamento é homologado com o sistema atual da farmácia?);

Custo de manutenção

  • Preço das bobinas (existem modelos de impressoras que só aceitam um único tipo de papel);
  • Assistência autorizada (na sua região têm alguma loja autorizada a prestar manutenção?);
  • Garantia (o fornecedor do equipamento possui garantia de pelo menos 12 meses?);
  • Preço das peças de reposição (se o equipamento apresentar defeito, é caro repor alguma peça?);

Como imprimir uma etiqueta de preço para rótulo de remédio?

Muito antes de usar a impressora para imprimir as etiquetas de preço, a farmácia precisa gerar as informações que serão coladas nos produtos. E essas informações estão dentro do sistema da farmácia.

O grande problema é que nem todos os sistemas de drogaria permitem que sejam impressas ou personalizadas essas informações nas etiquetas.

Isso na prática, acaba engessando os processos da farmácia, que precisa se adequar ao tipo de layout que o sistema consegue imprimir, ao invés de poder personalizar a etiqueta para sua realidade. O ideal é buscar por um software que possua o módulo completo de personalização de etiquetas de preços.  

Quais informações podem ser personalizadas na etiqueta de preço?

No próprio sistema de farmácia é possível alterar o layout da etiqueta, tamanho, papel, tipo de impressora, além de escolher quais informações serão impressas:  

  • Código de Barras;
  • Código Interno do Produto;
  • Nome do Laboratório;
  • Nome do Produto;
  • Preço Líquido;
  • Preço de Promoção;
  • Preço de Venda.

Outro ponto muito interessante é o fato de poder escolher vários modelos já configurados e prontos para o uso, sem a necessidade de criar medidas e layout do zero.

Etiqueta de preço para rótulo de remédio - InovaFarma
Personalização de etiqueta de preço no sistema InovaFarma

Por que personalizar uma etiqueta de preço?

Quando a farmácia consegue editar as informações das etiquetas dos produtos, fica muito mais fácil e prático criar seus próprios rótulos com as informações somente indispensáveis, como nome do produto, código de barras e preço.

Isso confere uma maior economia na hora da impressão, além de poder mudar as informações e formatos, conforme o modelo da impressora que está sendo utilizada no momento.

Tipos de papéis para imprimir etiquetas de preço para rótulo de remédio

Apesar não ser muito conhecido, existem muitos tipo e formatos de papeis disponíveis no mercado, com diferentes aplicações e preços, que são usados para a impressão de etiquetas. Mas para o caso das farmácias e drogarias, as melhores opções de resumem a 3 tipos:   

  • Etiquetas em Papel (além da impressão de preços, são indicadas para o uso em geral);
  • Etiquetas Plásticas (é uma alternativa ao papel, melhor durabilidade, porém mais cara);
  • Etiquetas Térmicas (indicadas para uso em impressoras térmicas, o ideal para as farmácias e drogarias).

Em relação ao formato, é muito comum esses papeis saírem de fábrica em formato de bobinas térmicas com larguras padronizadas de:

  • 57mm;
  • 76mm; e
  • 80mm.

Também são encontradas facilmente no mercado o formato convencional A4, usadas para etiqueta de modo de uso ou outros tipos de impressões para rótulo de remédio. 

Conclusão

Ficou claro que as embalagens dos medicamentos, bem como o rótulo de remédio, possuem fundamental importância na dispensação nos estabelecimentos farmacêuticos, exigindo preparo e procedimentos adequados no transporte, armazenamento e venda desses produtos.

Além de ter uma impressora adequada, a farmácia também precisa possuir um bom software que permita imprimir a etiqueta de preço para o rótulo de remédio. E nisso podemos te ajudar!

Conheça nossas soluções para farmácias e drogarias, preencha o formulário nessa página e fale agora mesmo com um especialista ou se preferir, chame no WhatsApp!

Para ter mais dicas se inscreve no nosso Canal do YouTube e siga nossas páginas do Facebook e Instagram!

Deixe um comentário

Compartilhar
Compartilhar
Twittar
Pin