tendências do Canal Farma que podem chegar na farmácia

5 tendências do Canal Farma que podem chegar na farmácia

O canal farma no Brasil, que engloba todos os laboratórios farmacêuticos presentes no país, segundo dados do INTERFARMA (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa), somente em 2019:

O Canal Farma atingiu a marca de R$102,8 bilhões de vendas!

Esse número revela o potencial de consumo que o canal farma possui na economia brasileira. E ainda existe espaço para crescimento do canal farma, segundo a mesma pesquisa, os brasileiros tem um déficit por medicamentos e acesso à saúde. Estima-se haver uma demanda não atingida de 50%, o que revela um futuro muito promissor para empreender no canal farma.

Diante desses números fica evidente a necessidade das farmácias e drogarias acompanharem as novas tendências do canal farma para conseguirem atingir essa demanda reprimida, além de manter-se competitiva no mercado. Dessa forma, trouxemos nesse artigo 5 tendências do canal farma que podem tornar-se realidade no varejo farmacêutico. Continue a leitura para saber!

Achamos que você também vai gostar de:

>> 9 passos explicados de como fazer planejamento estratégico para farmácia

>> 7 dicas para criar promoções em farmácias e drogarias

>> Software para farmácias: saiba como escolher a melhor opção

#1 Farmácia com autopagamento (self-checkout)

O Self-Checkout são PDVs (Pontos de Venda) que permitem o consumidor realizar a compra e o pagamento totalmente autônomo, ou seja, sem ajuda de nenhum colaborador. Essa é uma tendência que vêm ganhando cada vez mais a preferência dos consumidores, segundo a APAS (Associação Paulista de Supermercados):

39% das pessoas são favoráveis à presença desses tipo de atendimento nos supermercados.

À medida que esse hábito começa a se popularizar entre os consumidores, a tendência é que outros estabelecimentos e nichos de mercado também tenham que oferecer o self-checkout, como é o caso do canal farma.

Nos EUA (Estados Unidos da América) a rede de farmácias CVS Pharmacy já vem adotando o self-checkout em suas lojas com ótima aceitação pelos consumidores.

Self-checkout no canal farma – Farmácias CVS Pharmacy (EUA)

Você pode estar pesando que essa realidade ainda está longe do Brasil, certo? Errado. Em algumas unidades modelos em São Paulo, a Drogaria Onofre já está testando o atendimento Self-Checkout, e segundo a própria rede:

cerca de 52% dos consumidores preferem usar o Self-Checkout

Evidente que é necessário adaptações do modelo para o canal farma e também a questão cultural do país, sobretudo na jornada de compra dos consumidores, porém essa tendência está tomando tração e já precisa ser considerada como uma alternativa pelas farmácias e drogarias.

Nos próximos anos será muito comum encontrarmos o sistema de pagamento Self-Checkout em praticamente todos os nichos de mercado, devido sua segurança, praticidade e controle. Vale ressaltar que quando falamos de Brasil, os aspectos culturais, custos e impostos, além da modernização dos equipamentos e tecnologia, são barreiras que deverão ser derrubadas ao longo dos anos para a implementação do Self-Checkout.

Ebook - Controle Caixa de Farmácia

#2 Farmácia Drive Thru

Já pensou em oferecer um atendimento diferenciado na sua farmácia, onde os clientes não precisem nem sequer sair do carro para comprar seus medicamentos? Sim, isso é possível através da Farmácia com Drive Thru. Esse conceito de vendas é muito popular nas grandes franquias de fast food (comida rápida), como McDonald’s, Burger King e Habib’s e agora começa a ser implantado no Canal Farma.

Sistema de vendas Drive Thru pode chegar no canal farma
Sistema de vendas Drive Thru chega no canal farma

Nas grandes e médias cidades o Drive Thru já faz parte da rotina dos consumidores, que buscam por praticidade e conforto sem perder tempo com isso. Mas será mesmo que o Drive Thru funcionaria no Canal Farma?

O fato do consumidor não precisar sair do seu veículo para fazer compras é algo que agrada uma parcela significativa da população, principalmente quando olhamos para os grandes centros urbanos, com vias engarrafadas e de difícil locomoção. Para atender esse perfil de consumidor as farmácias e drogarias começaram a adotar o sistema de Drive Thru.

Como funciona o sistema de vendas Drive Thru?

O Drive Thru é um sistema de venda de produtos sem que os clientes precisem sair dos seus veículos para comprar ou fazer o pagamento de produtos. A origem do Drive Thru foi em meados de 1931 aparecendo numa lanchonete estadunidense, depois que um colaborador percebeu que as pessoas com automóveis tinham literalmente preguiça de sair dos veículos para fazer suas refeições.

Essa estratégia de venda foi um sucesso e logo o Drive Thru foi adotado pelas grandes redes de lanchonetes. Como se não bastasse o ramo alimentício, o Drive Thru também foi incorporado por empresas de outros segmentos, como:

  • bancos (caixa eletrônico);
  • supermercados (retirada de produtos);
  • floriculturas;
  • lojas de materiais de construção.

E ainda hoje vêm sofrendo novas adaptações e sendo amplamente testado em vários segmentos de mercado, até chegar nas farmácias e drogarias.

Como funciona o conceito de Drive Thru no canal farma?

Basicamente é o mesmo sistema já conhecido pelo consumidor oferecidos pelas redes de fast food. A principal diferença para o canal farma é em relação a dispensação de medicamentos sob prescrição, que exige um protocolo rigoroso de controle.

Porém para os demais produtos MIT (Medicamentos Isentos de Prescrição) o sistema Drive Thru acontece como outro qualquer. Essa é uma realidade que já está se tornando comum nos EUA e já começa a desembarcar nas farmácias brasileiras.

O Drive Thru está perto da realidade das farmácias brasileiras?

O Drive Thru em farmácias e drogarias está engatinhando no Brasil, sendo restrito à grandes e médias cidades em locais de grande circulação de veículos. Os consumidores brasileiros ainda não estão habituados à pensarem em Drive Thur fora das tradicionais redes de fast food.

Porém existem um grande potencial de consumo que o Drive Thur vai proporcionar para as farmácia, que já foi percebido pelas grandes redes que já começaram a implementar esse modelo de negócios em algumas capitais do país, como Vitória (ES), Distrito Federal (DF) e São Paulo (SP).

Mais do que uma “modinha” passageira, o Drive Thru em farmácia é o futuro que está cada vez mais perto da realidade do consumidor brasileiro, porém como o sistema Drive Thru em farmácia é uma novidade muito recente no Brasil, ainda é preciso “educar” os clientes para acostumem com a ideia de retirar medicamentos pelo carro.

Vale a pena colocar um Drive Thru na farmácia?

Antes de colocar o Drive Thru na sua farmácia é preciso analisar o seu modelo de negócios. Tenha em mente que essa comodidade fará com menos pessoas entrem dentro da farmácia, dessa forma as compras por impulso podem diminuir. Ademais, a forma de expor os itens e a layoutização do ambiente são fatores que contribuem para uma melhor experiência de compra, que pode levar ao aumento do ticket-médio.  

Se por um lado o Drive Thru faz com que as pessoas não entrem na farmácia, por outro ele acaba atraindo os consumidores que estão com muita pressa ou simplesmente tem preguiça de sair do carro para fazer suas compras. Esse nicho de consumidores pode compensar o fato do movimento dentro do estabelecimento ser menor.

O Drive Thru também vai atrair pessoas com limitações físicas que possuem dificuldades de locomoção (cadeirantes e idosos), que muitas vezes deixam de sair de casa para fazer compras pela falta de acessibilidade dos estabelecimentos.

Outro ponto que deve ser bem planejado são os custos para adequação do local, pois o Drive Thru vai exigir um espaço suficiente para que os carros possam transitar, sinalização, adequação da estrutura física do prédio, treinamento dos colaboradores, além da documentação e registro nas autoridades e órgãos locais.

Inclusive, preste atenção se na localização da farmácia existe vias de acesso suficientes com tráfego de veículos, pois o investimento num Drive Thru só faz sentido se houver um significativo movimento de automóveis, caso contrário não haverá perfis de clientes interessados nesse modelo de vendas.      

#3 Assistentes de Atendimento com I.A (Inteligência Artificial)

Já imaginou ter um colaborador que não se cansa, não sente fome ou sede e pode trabalhar por longos períodos sem perder produtividade? Através da evolução da Inteligência Artificial hoje as empresas varejistas podem contar com robôs para auxiliar no atendimento.

Nos países asiáticos (Japão, China, Singapura) a prática de usar robôs para interação com seres humanos só vêm crescendo ao longo dos anos, muito impulsionado pelo desenvolvimento tecnológico, que também pode ser aplicado no canal farma.

Essas máquinas são capazes de imitar as feições do rosto humano, medem cerca de um metro de altura e ainda tem a capacidade de expressar emoções. Os robôs tem um amplo espectro de utilização, desde o aprendizado em escolas, operações hospitalares, sequenciamento genético, até plantas fabris, e agora está ganhando espaço como recepcionistas de estabelecimentos comerciais.

Demonstração de Assistente de Atendimento

Voltando para a realidade do canal farma os robôs podem, por exemplo, reconhecer a face dos clientes identificando seu perfil de compras, assim sugerindo os produtos para aquele tipo de consumidor.

Além de prestarem informações úteis, como quantidade em estoque, preço de venda, promoções e ofertas, mostrar a localização do item na prateleira, enfim, são muitas possibilidades.  

Já pensou ser atendido por um robô ao entrar na farmácia? Não se surpreenda, pois a tendência está apontando para essa direção no futuro!

#4 Prescrição de Receita Digital

Na prescrição tradicional o paciente se consulta com o médio, que após os exames clínicos prescreve uma receita para o tratamento da enfermidade. Em seguida o paciente com a receita em mãos, procura uma farmácia ou drogaria, entrega a receita para o farmacêutico e depois recebe o medicamento.

Veja que esse processo exige um grande esforço de deslocamento do paciente, mas com a prescrição digital, isso muda de figura. Hoje já é possível realizar consultas de forma remota, isto é, da própria cada do paciente, bastando apenas uma conexão com a internet, usando apenas celular.

O profissional de saúde após a avaliação prescreve a receita de forma digital, ou seja, sem qualquer documento físico, e após validar o documento digital encaminha para o paciente. Com o arquivo da receita digital, basta que o paciente apresente para o responsável técnico da farmácia.     

A tendência é que essa nova forma de dispensação de medicamentos seja cada vez mais comum no canal farma, impulsionada principalmente pelo isolamento social devido à pandemia do Coronavírus que exigiu novos hábitos dos consumidores.

Para a farmácia ou drogaria, é preciso contar com um software capaz de fazer o gerenciamento dos produtos controlados do SNPGC e também aceitar a importação do arquivo digital da receita.  

>> Guia Fácil do SNGPC para farmacêuticos

#5 Automação robótica na dispensação de medicamentos

Ao contrário dos seres humanos, os robôs são menos suscetíveis a cometerem erros, e isso é primordial no canal farma, principalmente na hora da dispensação de medicamentos no balcão da farmácia ou drogaria. Nesse cenário a inserção de robôs para auxiliar o controle de estoque e na localização dos fármacos vêm sendo testada por farmácias pioneiras em alguns países.  

De acordo com pesquisas do periódico Pharmaceutical Journal, ao utilizar robôs como assistentes na dispensação de medicamentos, no período de 120 dias de testes após a implementação do novo modelo, houve uma redução significativa de 50% nos erros de dispensação, além de redução no tempo na fila de espera de 10 minutos para cerca de 1 minuto.

Dispensação de medicamentos com auxílio robótico

Isso é possível pois a automação robótica fica sendo responsável por localizar o medicamento no estoque, logo após o responsável técnico efetuar a entrada da prescrição no sistema, então o robô faz a retirada e através de uma esteira o produto chega até o balcão. O processo leva poucos segundo para acontecer.  

Evidentemente que ainda estamos falando de protótipos, mas que já estão apontando bons resultados, e à medida que sua difusão começar no canal farma, será notável o barateamento do sistema robótico, podendo inclusive em alguns anos estar presente na rotina das farmácias e drogarias.   

Conclusão

Como você pode perceber já existe um grande movimento de mudanças no canal farma, com novos modelos de negócios, estabelecimentos modelos e protótipos sendo testados na realidade do dia a dia do consumidor.

Nesse sentindo o gestor e dono de farmácia ou drogaria precisa enxergar as novas tendências e se preparar rapidamente para não ser pego de surpresa pela concorrência.

E você, se fosse para apostar em alguma dessas tendências, quais delas você acha que vai realmente estar presente no canal farma? Deixa nos comentários.

Conheça também nossas soluções para farmácias e drogarias, preencha o formulário nessa página e fale agora mesmo com um especialista ou se preferir, chame no WhatsApp!

Gostou do assunto desse artigo? Se inscreva no nosso Canal do YouTube e nossas páginas do Facebook e Instagram para ter mais conteúdos como esse!

fale agora com o consultor inovafarma