4 atitudes que atrapalham a margem de lucro da farmácia

Conseguir uma boa margem de lucro da farmácia costuma ser um desafio para farmácias e drogarias: plano de contas, registro de vendas, como fazer conciliação bancária, fechamento de caixa, enfim, são só o começo. Correr das contas e delegar para terceiros o ônus do operacional é escolha mais comum. Mas isso vai resolver de fato o problema da margem de lucro da farmácia?

Manter a organização das contas “na ponta do lápis” pode ser mais simples do que realmente parece. Basta um olhar mais criterioso na rotina da farmácia para encontramos os vilões da história. Não acredita? Continue a leitura e saiba quais são as 4 atitudes podem estar atrapalhando sua margem de lucro da farmácia. Confere aí!

Achamos que você vai gostar de:

>> Gestão de Farmácia: Descubra os 4 pilares de uma farmácia organizada e lucrativa

>> Conheça as vantagens do check-in e check-out de produtos no estoque de farmácia

>> 3 verdades que ninguém te fala sobre Gestão de Categorias da sua farmácia

1. Não registrar a forma de pagamento correta na hora da venda

É muito comum que o balconista ou operador de caixa queria agilizar o atendimento devido à pressão dos próprios clientes que não toleram ficar mais que alguns poucos minutos esperando. Por esse motivo o preenchimento das informações no sistema para finalizar o quanto antes a venda e emitir o cupom fiscal, acaba sendo errônea, isso no futuro acaba refletindo na margem de lucro da farmácia!

O que aparenta ser um inocente erro básico que apenas troca a forma de pagamento por outra, é na verdade a fissura que vai acabar recaindo na margem de lucro da farmácia. Ao final do mês, na apuração dos resultados contábeis, os relatórios jamais vão ser fieis à realidade do negócio, assim você não terá uma precisão na hora de calcular a verdadeira margem de lucro.

Imagine a dor de cabeça para fazer os “relatórios baterem” e a contabilidade fechar! Você terá um total de dinheiro em caixa incompatível com a quantidade de itens vendidos à vista. Só para citar um exemplo. Dessa forma fica prejudicada a gestão de farmácia:

  • plano estratégico de negociações;
  • análise do ticket-médio;
  • crescimento efetivo do negócio;
  • aumento das vendas à vista;
  • saúde do crediário próprio;
  • taxa de inadimplência
  • margem de lucro da farmácia.

Nesse cenário o ideal, sem dúvidas, é ter o controle absoluto das formas de pagamento. Claro que para fazer isso você precisa instruir o colaborador e ter um sistema de farmácia rápido na hora da venda, que possibilite identificar facilmente o pagamento e faça a emissão em poucos segundos do cupom fiscal, garantindo que a margem de lucro da farmácia fique garantida.   

2. Deixar de registrar o número NSU nas vendas de cartão de crédito

NSU significa Número Sequencial Único, é uma “espécie de CPF” para cada transação de venda e emissão fiscal. Esse número é gerado toda vez que uma venda é realizada e nunca se repete.  O NSU é mais conhecido nas transações de cartão de crédito ou débito, e pode ser encontrado no comprovante impresso pelas Maquininhas POS e TEF.

Mas por que o balconista deve se preocupar com o NSU para garantir a apuração da margem de lucro da farmácia? Bem, esse número é usado na hora da conciliação de cartões entre a farmácia e as empresas Adquirentes / Bandeiras.

Ebook - Marketing Sensorial

Quando o colaborador registra na venda o número NSU, será muito mais fácil no futuro fazer a conferência dos valores em cartão que a farmácia tem por direito receber, isto é, na hora de saber realmente se a margem de lucro da farmácia realmente teve resultado.

Caso não houver essa conferência pelo financeiro da farmácia, será necessário confiar plenamente nos valores pagos pelas empresas de cartão. É bem comum que hajam divergências de valores, principalmente pelo fato das variações de taxas e número de parcelas, daí a importância de ter registrado corretamente cada operação de venda em cartão através do número NSU é primordial para chegar se houve a margem de lucro da farmácia nas vendas pelo cartão.

Mas se você não quer ter essa dor de cabeça de ficar guardando todos os comprovantes de cartão e registrar o NSU, existem soluções automatizadas que já fazem a conciliação de cartão para farmácia. O que pode ser uma boa saída se o seu colaborador insiste em não guardar e registrar os comprovantes.  

3. Não registrar o cliente no momento de efetivar a venda

Para farmácias que trabalham com crediário próprio, aceitam pagamento por cheques ou promissórias, o cadastro do cliente é obrigatório. Vender “fiado” até acontece hoje, mas em farmácias de bairro interioranas, sendo que a pessoa é conhecida pelo dono ou pela vizinhança.

Mas de modo geral, a falta de registro do cliente para tais vendas é catastrófica para a farmácia que deseja ter o crediário como alternativa de pagamento, o que impacta diretamente na margem de lucro da farmácia.

Entretanto, não é só pelo fato da cobrança que os dados dos clientes já indispensáveis, muito pelo contrário. Já pensou em criar uma clientela fidelizada que sempre irá priorizar seu estabelecimento? Isso é possível, porém antes de mais nada é necessário criar vínculos com as pessoas, estreitar relações e ganhar sua confiança. E como a farmácia faz isso? Com estratégias de:

  • marketing de atração;
  • venda personalizada; e
  • pós-venda.

Para qualquer uma delas possa ser usada, você precisa de “pegar os dados” dos clientes! E quando me refiro a dados, não são aquelas longas fichas cadastrais, não! Usando apenas o nome do cliente já podemos trabalhar várias estratégias.

Deixa-me te perguntar: Já recebeu alguma vez um e-mail com seu nome no cabeçalho? Não é diferente de outro e-mail que você recebe que não tem o seu nome? A sensação é a mesma com o cliente da farmácia. Ser tratado pelo nome pode ser um diferencial competitivo a ser explorado, principalmente quando se quer aumentar o Ticket-Médio e agregar valor na venda, assim aumentar a margem de lucro da farmácia.

Antes mesmo de finalizar a venda, peça cordialmente o nome do cliente, se o mesmo aceitar, insista também no número de telefone. Se você notar certa resistência nas pessoas ao passarem essas informações, ofereça uma vantagem (brinde, pequeno desconto, etc) para quem se dispuser a se cadastrar na farmácia.

Nome e Telefone. Essas duas informações básicas já são suficientes. Hoje já existe sistema para farmácia que facilita o preenchimento de um pré-cadastro com 2 ou 3 campos, de forma rápida. Isso não leva nem 30 segundos para ser feito.

E o que fazer os esses dados? Confere aí:

>> 4 passos para tornar o Whatsapp de farmácia um vendedor virtual

>> Marketing nas redes sociais: 6 dicas para otimizar essa estratégica

4. Esquecer de registrar as baixas das devoluções de venda no sistema

Ok, o cliente voltou e quer realizar a troca do produto. Normalmente o balconista solicita o cupom fiscal, verifica as informações, pergunta o motivo da troca e a faz. Tudo certo! Só por faltou um detalhe: não foi informado no sistema de farmácia que a venda, antes registrada para o produto X, agora na verdade dever ser do produto Y.

Como se não bastasse, no ato da venda é impresso o cupom fiscal, então a farmácia recolhe o imposto originado da operação. E se não for feita a devolução do produto “dentro do sistema”, o imposto continuará sendo cobrado, mesmo que o dinheiro do cliente seja devolvido e a farmácia fique com o produto em estoque, e isso, claro, afeta a margem de lucro da farmácia.

Por falar em estoque, esse é outro ponto que é altamente prejudicado pela falta de registro das devoluções de vendas. É ruptura na certa! A curva de demanda será alterada, fazendo com que o se compra um produto sem necessidade e outro que realmente precisava ser comprado fique sem reposição.

No final das contas, deixar de registrar a devolução de venda no sistema faz a farmácia pagar o imposto dobrado e deixa o estoque muito propenso à ruptura, além de ser prejudicial para a margem de lucro da farmácia.

Conclusão

Atitudes que muitos colaboradores podem classificar como banais, são na verdade os detalhes que estão atrapalhando a margem de lucro da farmácia e por consequência o crescimento do negócio. Mas antes de sair cobrando todos os colaboradores para fazer essas ações, verifique se o sistema atual da sua farmácia consegue oferecer as ferramentas adequadas para:

  • registro rápido das vendas;
  • pré-cadastro de clientes;
  • conciliação bancária;
  • conciliação de cartões; e
  • devolução simplificada.

Nesse sentido podemos te ajudar! Fale agora mesmo com um especialista para conhecer nossas soluções para sua farmácia. Ou se preferir, chame no WhatsApp!

Se inscreve no nosso Canal do YouTube e siga nossas páginas do Facebook e Instagram! Lá você encontra muito mais conteúdo sobre gestão e varejo farmacêutico. Garanto que você vai aproveitar muita coisa!

fale agora com o consultor inovafarma
Compartilhar
Compartilhar
Twittar
Pin